WhatsApp

33 99973-1025

Cuparaque - MG
Mulher é agredida com remo pelo marido: 'quem bate não tem amor' - Portal Cuparaque

Polícia

04/12/2015 às 02h13 - Atualizada em 04/12/2015 às 02h13

Mulher é agredida com remo pelo marido: 'quem bate não tem amor'

-

“Quem bate uma vez é porque não tem amor”. Essa é a fala de uma mulher que levou 30 pontos na cabeça após ser agredida pelo marido com um remo, durante uma briga dentro de casa. O crime aconteceu na quinta-feira (26), em Vila Velha, na Grande Vitória. O guarda-vidas, Renzo Grassi, de 25 anos, chegou a ser conduzido para a delegacia e foi autuado em flagrante, mas pagou fiança de R$ 2 mil e responderá ao processo em liberdade.

A atendente, Andréa Saffran, de 29 anos, foi socorrida no Hospital Antônio Bezerra de Farias, em Vila Velha. Após ter a cabeça enfaixada, ela foi levada à delegacia da Mulher na cidade, mas voltou a ser conduzida a um hospital por estar passando mal. Até esta quinta-feira (3), o depoimento dela não havia sido colhido.

Andréa contou que no dia da briga, o marido estava irritado dentro de casa, e que eles chegaram o romper o relacionamento. Ela saiu da residência algumas vezes na tentativa que ele se acalmasse. O guarda-vidas disse sairia de casa, no mesmo dia, levando uma cômoda e uma cama da filha de pouco mais de um ano. Os móveis foram presentes dados à menina pela mãe dele. O pai iria buscá-lo para fazer o frete.
A discussão começou por volta das 19 horas, quando a mulher perguntou ao marido se o pai dele não viria mais. O irmão da atendente, que em uma casa no mesmo terreno, ouviu os gritos da briga e foi até a residência do casal. Ele estava com a filha de dois anos no colo, quando o cunhado partiu para cima dele.

“Meu irmão falou ‘essa gritaria vai começar de novo?’. Foi o suficiente para o Renzo se alterar ainda mais. Ele saiu na varanda e eu fui atrás, os dois trocaram meia dúzia de palavras e ele foi pra cima do meu irmão, que estava com a minha sobrinha no colo. Entrei na frente dele, para proteger meu irmão, já com um remo de um caiaque em mãos”, contou.
Segundo Andrea, Renzo tomou o remo das mãos dela e bateu com força na cabeça dela. Enquanto o sangue escorria pelo rosto da mulher, ele voltou a partir para cima do irmão da vítima.
Mesmo com o ferimento, Andrea pegou outro remo e bateu nas costas do marido para impedi-lo de agredir o irmão. A Polícia Militar foi acionada e deteve Renzo perto da casa. Andréa foi levada para o hospital e depois para a delegacia.

História
Após passados alguns dias, a mulher reflete o que a fez continuar em um relacionamento com o guarda-vidas. As agressões ao longo do relacionamento que durou três anos e oito meses, foram muitas, tantas que ela não sabe precisar quantas. Classificadas como empurrões, tapas, ofensas verbais, entre outras mais graves, como uma pancada com um remo.
Grávida, no ano de 2013, a atendente abriu o primeiro processo contra o marido. Ele havia a batido com um chinelo na época. Renzo voltou para casa após um mês, depois fazer a promessa para a mulher de que iria mudar, de que a amava, de que queria estar próximo à família. Andréa aceitou.
“Eu gostava dele, e eu acreditava que ele poderia mudar, mas hoje eu não reconheço aquele pessoa. Achava que era meio uma bipolaridade, de estar bem, estar mal, mas não foi assim”, contou em lágrimas a atendente.

Além disso, ela ressalta que a espera do nascimento da filha, pesou na balança da decisão. “Que mulher não quer que uma filha tenha um pai. Eu acreditei. Queria a família”, disse a mulher.
Segundo a atendente, o marido possui um comportamento agressivo, costuma quebrar coisas dentro de casa. No dia em que Renzo atingiu Andréa com um remo, ele já havia lançado sobre a mulher um controle remoto, quando ela estava com a filha no colo. Os xingamentos também estavam presentes nas falas do guarda-vidas.
A tristeza de Andréa não está estampada apenas no rosto machucado, mas também na maneira como a mulher fala. A mensagem que ela que ela quer deixar, é um conselho para outras não passarem pelo o que ela passou. “Quem bate uma vez é porque não tem amor. Não vai mudar, quem faz isso não muda. Quem gosta não levanta a mão pra a gente”, lamentou.
Outro lado

O G1 entrou em contato com Renzo Grassi na manhã desta quinta-feira (3) e ele disse que prefere não se pronunciar.
Na quarta-feira (2), ele chegou a atender a ligação a reportagem de A Gazeta e informou que precisaria conversar com o advogado antes de falar com a imprensa. Finalizou pedindo para em contato mais tarde. O salva-vidas não atendeu mais as ligações durante a noite.

No Facebook, Renzo comentou o caso e se defendeu em uma postagem, dizendo que não havia feito nada propositalmente. Ele também relatou que pagou uma fiança estipulada na delegacia e por isso estava solto.
“Estou rezando por ela e por mim. Infelizmente chegamos nessa situação”, concluiu ao escrever a publicação.

Na manhã desta quarta-feira (2), Renzo voltou a postar nas redes sociais. " Peço a todos que rezem por mim. Estou correndo risco de vida, medo de me matarem por um acidente!!! Jamais faria isso de propósito! Estava me defendendo e puxei o remo que a pá acertou ela, que estava atrás...Deus sabe de todas as coisas, quem não sabe é quem mais fala nesse momento", finalizou.
A Polícia Civil informou, por meio de nota, que o caso está sendo investigado pela Delegacia da Mulher de Vila Velha.

Comentários

Veja também

© Copyright 2017 :: Todos os direitos reservados